sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz 2011



O Emoções de Roberto Carlos deseja a todos os leitores um 2011 repleto de momentos lindos. Entremos no ano em paz com a vida e com tudo o que ela nos traz.

Abraços a todos, Vinícius.

EMOÇÕES - Roberto e Erasmo


Quando eu estou aqui
Eu vivo esse momento lindo
Olhando pra você
E as mesmas emoções sentindo
São tantas já vividas
São momentos que eu não esqueci
Detalhes de uma vida
Histórias que eu contei aqui

Amigos eu ganhei
Saudades eu senti, partindo
E às vezes eu deixei
Você me ver chorar, sorrindo

Sei tudo que o amor
É capaz de me dar
Eu sei já sofri
Mas não deixo de amar

Se chorei
Ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi

São tantas já vividas
São momentos que eu não esqueci
Detalhes de uma vida
Histórias que eu contei aqui

Mas eu estou aqui
Vivendo esse momento lindo
De frente pra você
E as emoções se repetindo

Em paz com a vida
E o que ela me traz
Na fé que me faz
Otimista demais

Se chorei
Ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi

Se chorei
Ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi

sábado, 25 de dezembro de 2010

Feliz Natal!



Olá, amigos.

Que neste Natal, todos encontrem um ambiente de paz, de carinho e de muito, muito amor. E com muito Roberto Carlos no coração.

Abraços a todos, Vinícius.

LUZ DIVINA - Roberto e Erasmo

Luz que me ilumina o caminho
E que me ajuda a seguir
Sol que brilha à noite, a qualquer hora, me fazendo sorrir
Claridade, fonte de amor que me acalma e seduz
Essa Luz só pode ser Jesus, essa Luz
Raio duradouro que orienta
O navegante perdido
Força dos humildes, dos aflitos, paz dos arrependidos
Brilho das estrelas do universo, o seu olhar me conduz
Essa Luz, é claro que é Jesus, essa Luz

Sigo em paz no caminho
Da vida porque
O caminho, a verdade, a vida é você
Por isso eu te sigo
Jesus, meu amigo

Quero caminhar do seu lado e segurar sua mão
Mão que me abençoa e me perdoa
E afaga o meu coração
Estrela que nos guia, Luz Divina, o seu amor nos conduz
Essa Luz, é claro que é Jesus, essa Luz

Luz que me ilumina o caminho
E que me ajuda a seguir
Sol que brilha à noite, a qualquer hora, me fazendo sorrir
Claridade, fonte de amor que me acalma e seduz
Essa Luz, é claro que é Jesus, essa Luz é claro que é Jesus

Essa Luz, só pode ser Jesus, só pode ser Jesus..

Essa Luz, só pode ser Jesus, só pode ser Jesus...

Essa Luz, é claro que é Jesus, essa Luz Divina...

Essa Luz, essa Luz, essa Luz, essa Luz, é claro que é Jesus...

É Jesus, é Jesus...

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Ele está pra chegar!



Olá, amigos.

Há alguns dias, este que vos escreve vem tendo como vizinha a expectativa por um show de Roberto Carlos. Copacabana foi o local escolhido para o Roberto Carlos Especial de 2010. As areias da praia já foram cenário de grandes apresentações de artistas brasileiros e do exterior, e agora a água azul da Princesinha do Mar banhará as emoções vividas por RC e com RC.

Em mais uma noite especialíssima que Roberto traz a cada dezembro, a festa novamente será democrática. Da nova voz romântica brasileira, a cantora Paula Fernandes, passando pelo estilo neosertanejo de Bruno e Marrone, até o pagode do Exaltasamba. E a reverência à "Simplicidade de um Rei" chegará através da Beija-Flor, que interpretará o samba em homenagem aos 70 anos de carreira de Roberto Carlos.

O anfitrião está prestes a abrir seu palco de emoções, num amor sem limite acompanhado de seus fãs. E todos podem se preparar, pois muito breve uma luz vai brilhar. A luz de Roberto Carlos no palco de Copacabana. Ele está pra chegar!

Abraços a todos, Vinícius.

ELE ESTÁ PRA CHEGAR - Roberto e Erasmo

Se ilumine na luz das estrelas
Se aqueça nos raios do sol
Se refresque na chuva que cai
Sobre a sua cabeça
Agradeça e respire do ar
Se concentre diante do mar
Se procure e se encontre depressa
Ele está pra chegar

Não se pode negar os sentidos
Tão pouco tapar os ouvidos
Pra fugir das verdades
Que a própria consciência nos diz

Não adianta tentar se esconder
Nem tão pouco querer se enganar
Se procure, se encontre depressa
Ele está pra chegar
Ele está pra chegar

Vista-se no branco desse amor que vem do alto
Busque o céu dos seus pensamentos
Veja que a verdade e as palavras do profeta
Nunca se perderam nos ventos

Pare pra pensar
Pense muito bem
Olhe que esse dia já vem
Pare pra pensar
Pense muito bem
Olhe que esse dia já vem

Pare, pense
Olhe que esse dia já vem
Pare, pense
Olhe que esse dia já vem

Muito breve uma luz vai brilhar
Dessa luz Ele então surgirá
Se materializando ante os olhos
Surpresos do mundo

Não se pode fugir dessa Luz
Dessa força chamada Jesus
Se procure, se encontre depressa
Ele está pra chegar
Ele está pra chegar

Pare pra pensar
Pense muito bem
Olhe que esse dia já vem
Pare pra pensar
Pense muito bem
Olhe que esse dia já vem

Pare, pense
Olhe que esse dia já vem
Pare, pense
Olhe que esse dia já vem...

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

As (outras) mulheres de Roberto Carlos - TEREZA



Olá, amigos.

Na última postagem da série As (outras) mulheres de Roberto Carlos, feita com a colaboração do nobre colega Carlos Marley, Tom Jobim novamente é homenageado. E desta vez, num belíssimo dueto que emocionou o país há dois anos.

Para celebrar os 50 anos da Bossa Nova, ROBERTO CARLOS E CAETANO VELOSO se reuniram em apresentações no Rio de Janeiro e em São Paulo para cantar o repertório de Antônio Carlos Jobim. Cada artista teve alguns números solo (num deles, Roberto cantou Lígia, apresentada na série anterior), mas os dois se encontraram para cantar a obra do Maestro Soberano.

Num deles, Caetano e Roberto reviveram a "disputa" entre Lúcio Alves e Dick Farney por um amor no Leblon. Tratava-se da TEREZA DA PRAIA, uma das tantas mulheres cantadas por Tom Jobim.

Segue a letra! Na foto, Caetano Veloso e Roberto Carlos no show de São Paulo.

Abraços a todos, Vinícius.

TEREZA DA PRAIA - Tom Jobim e Billy Blanco

(ROBERTO CARLOS)
Caetano...

(CAETANO VELOSO)
- Sim!

(ROBERTO)
Arranjei novo amor no Leblon
Que corpo bonito
Que pele morena
Que amor de pequena
Amar é tão bom

(CAETANO)
Tão bom...
Roberto...

(ROBERTO)
Diga lá, bicho!

(CAETANO)
Ela tem um nariz levantado
Os olhos verdinhos
Bastante puxados
Cabelo castanho

(ROBERTO)
E uma pinta do lado...

(CAETANO)
É a minha Tereza da praia...

(ROBERTO)
Se ela é tua, ela é minha também

(CAETANO)
O verão passou todo comigo

(ROBERTO)
O inverno, pergunta com quem...

(OS DOIS)

Então vamos
A Tereza da praia deixar
Aos beijos do sol
E abraços do mar

Teresa é da praia
Não é de ninguém...

(ROBERTO)
Não pode ser tua

(CAETANO)
Nem tua também


(OS DOIS)
Tereza é da praia
Não é de ninguém...

domingo, 19 de dezembro de 2010

As (outras) mulheres de Roberto Carlos - AMÉLIA



Olá, amigos.

No penúltimo post da série As(outras) mulheres de Roberto Carlos, feita com a ajuda do nobre colega Carlos Marley, apresentamos uma das mulheres mais conhecidas da Música Popular Brasileira. Mais um clássico nacional que passou pela voz de RC.

No ano de 1967, a AMÉLIA de Ataulpho Alves e Mário Lago também foi citada por Roberto Carlos. Afinal, como cantor que tem carinho por todo seu público feminino, RC também deve reverenciar aquela sim, que era mulher de verdade.

Segue a letra! Na foto, Roberto Carlos com Mário Lago, na parte da tarde do Roberto Carlos Especial de 1991.

AI, QUE SAUDADES DA AMÉLIA - Ataulpho Alves e Mário Lago

Nunca vi fazer tanta exigência
Nem fazer o que você me faz
Você não sabe o que é consciência
Nem vê que eu sou um pobre rapaz

Você só pensa em luxo e riqueza
Tudo que você vê você quer
Ai, meu Deus, que saudade da Amélia
Aquilo sim é que era mulher

Às vezes passava fome ao meu lado
E achava bonito não ter o que comer
E quando me via contrariado
Dizia: Meu filho, que se há de fazer

Amélia não tinha a menor vaidade
Amélia é que era mulher de verdade...

Amélia não tinha a menor vaidade
Amélia é que era mulher de verdade...

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

As (outras) mulheres de Roberto Carlos - CANDINHA



Olá, amigos.

A série As (outras) mulheres de Roberto Carlos chega a mais uma postagem, com a sequência de canções de nomes femininos na obra de RC. Esta série foi feita em parceria com o nobre amigo Carlos Marley, leitor assíduo e sempre presente deste blogue.

Hoje é a vez de uma mulher digna do deboche e dos protestos de Roberto Carlos. A CANDINHA é uma fofoqueira que vive a depreciar RC por seu estilo bem jovem-guardista. Ela simbolizou a ironia de Roberto com a imprensa que tanto criticava os integrantes da Jovem Guarda.

Segue a letra! Na foto, Roberto Carlos apresentador do programa Jovem Guarda.

Abraços a todos, Vinícius.

MEXERICO DA CANDINHA - Roberto e Erasmo

Olha o que a Candinha está falando aqui
Puxa, mas como fala
A Candinha vive a falar de mim em tudo
Diz que eu sou louco, esquisito e cabeludo
E que eu não ligo para nada
Que eu dirijo em disparada

Acho que a Candinha gosta mesmo de falar
Ela diz que eu sou maluco
E que o hospício é meu lugar
Mas a Candinha quer falar

A Candinha quer fazer da minha vida um inferno
Já está falando do modelo do meu terno
E que a minha calça é justa
Que de ver ela se assusta

E também a bota que ela acha extravagante
Ela diz que eu falo gíria
E que é preciso maneirar
Mas a Candinha quer falar

A Candinha gosta de falar de toda gente
Mas as garotas gostam de me ver bem diferente
A Candinha fala mas no fundo me quer bem
E eu não vou ligar pra mexerico de ninguém

Mas a Candinha agora já está falando até demais
Porém ela no fundo sabe que eu sou bom rapaz
E sabe bem que esta onda é uma coisa natural
E eu digo que viver assim é que é legal
Sei que um dia a Candinha vai comigo concordar
Mas sei que ainda vai falar

Mas sei que ainda vai falar...
Mas sei que ainda vai falar...

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

As (outras) mulheres de Roberto Carlos - SUSIE




Olá, amigos.

A série As (outras) mulheres de Roberto Carlos apresenta hoje um pioneiro nome feminino na discografia de RC. Afinal, trata-se da primeira mulher a quem ele dedicou uma música.

SUSIE é o marco inicial das muitas histórias que nos acostumamos a ouvir na voz de Roberto Carlos. Bem antes dele parar na contramão, levar tapa na história do Splish Splash ou trocar um Cadillac por um calhambeque, ele foi de lambreta atrás de um broto displicente.

Segue a letra! Na foto, o compacto original da canção, em 1962.

Abraços a todos, Vinícius.

SUSIE - Roberto Carlos

Pertinho de onde eu moro
Tem um broto encantador
A primeira vez que a vi
Pensei logo em amor
Olhei muito pro brotinho
Mas de nada adiantou
É um broto tão difícil
Não deu bola, nem ligou

Mesmo assim continuei
Insistindo em seu olhar
Na esperança de um dia
Esse brotinho me amar

Seu nome é Susie
E é um amor
Quero seu carinho
Seja como for

Já fiz tudo que podia
Para despertar sua atenção
Já peguei minha guitarr
E até cantei uma canção

Já pintei minha lambreta
Com uma cor extravagante
Escolhi no guarda-roupa
O pulôver mais berrante

E passei acelerando
Bem pertinho da janela
Vi alguém se aproximando
E, que surpresa, era ela

Seu nome é Susie
E é um amor
Quero seu carinho
Seja como for

Foi aí que a esperança
Começou a me nascer
Quando passei devagarinho
E vi o brotinho aparecer

Parei minha lambreta...saltei
Me aproximei...conversei
E resultado:
O brotinho eu amarrei

Susie é o broto mais bonito
Que até hoje eu namorei

Seu nome é Susie
E é meu amor
Eu tenho seu carinho
Também seu calor

Também seu calor...
Também seu calor...

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

As (outras) mulheres de Roberto Carlos - MARIA



Olá, amigos.

Graças à grande colaboração do amigo Marley, hoje começamos a série As (outras) mulheres de Roberto Carlos. Desta vez, com nomes femininos que vêm acompanhadas do título.

Por ordem cronológica, temos a presença nova de Maria. Mas, em vez do carnaval e das cinzas pelas quais ela passou na música de Luís Carlos Paraná, hoje ela é personagem de uma história da carochinha contada nos moldes da Bossa Nova por Roberto Carlos e Carlos Imperial.

Segue a letra! Na foto, o primeiro compacto da carreira de Roberto Carlos.

Abraços a todos, Vinícius.

JOÃO E MARIA - Roberto Carlos e Carlos Imperial

Li no almanaque a versão
Nova da história do João
Levou Maria ao bosque passear
E borboletas lindas apanhar

Mariazinha não sabia não
Das intenções do João

A verdade está no almanaque
Pois o tal passeio foi de araque
Mariazinha não gostou não
Do papelão do João

Mas o fim não está no almanaque
Sei que a Mariazinha voltou de Cadillac
João, coitado, ficou abandonado
Com as borboletas na mão
Coitadinho do João

Era uma vez, João...
Era uma vez, João...
Era uma vez, João...
Joãozinho...

sábado, 11 de dezembro de 2010

As mulheres de Roberto Carlos - LÍGIA



Olá, amigos.

Encerrando a série As mulheres de Roberto Carlos, hoje este blogue traz uma das mulheres de Tom Jobim. Porque, dentre os nomes femininos cantados por RC, Tom também deu uma excelente contribuição.

O compositor que dá nome a suas mulheres deu ao intérprete que, como compositor, não nomeia suas mulheres, a LÍGIA. Primeiro, no Roberto Carlos Especial de 1978, quando os dois fizeram um belo encontro musical. E, 30 anos depois, no show que Roberto Carlos fez com Caetano Veloso em homenagem aos 50 anos da Bossa Nova, RC relembrou o dueto e novamente cantou Lígia.

Segue a letra! Na foto, Tom e Roberto, no especial de 1978.

Abraços a todos, Vinícius.

LÍGIA - Tom Jobim

Eu nunca sonhei com você
Nunca fui ao cinema
Não gosto de samba
Não vou a Ipanema
Não gosto de chuva
Nem gosto de sol

E quando eu lhe telefonei
Desliguei, foi engano
O seu nome eu não sei
Esqueci no piano
As bobagens de amor
Que eu iria dizer
Lígia, Lígia

Eu nunca quis tê-la ao meu lado
Num fim de semana
Um chope gelado
Em Copacabana
Andar pela praia até o Leblon

E quando eu me apaixonei
Não passou de ilusão
O seu nome eu rasguei
Fiz um samba-canção
Das mentiras de amor
Que aprendi com você
Lígia, Lígia

E quando você me envolver
Nos seus braços serenos
Eu vou me render
Mas seus olhos morenos
Me metem mais medo
Que um raio de sol

Lígia, Lígia...

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

As mulheres de Roberto Carlos - LADY LAURA



Olá, amigos.

Em seu penúltimo post, a série As mulheres de Roberto Carlos apresenta aquela que talvez seja a mulher mais importante da vida de RC. Afinal, o nome desta canção se refere à responsável por Roberto estar presente em nossa música brasileira.

LADY LAURA sempre merece todas as homenagens deste e de qualquer página eletrônica dedicada a Roberto Carlos. Com toda sua doçura, seu carinho e sua fé, que fizeram de RC esta pessoa tão generosa e tão simples. Laura Moreira Braga nos deixou neste 2010, mas está para sempre nos corações e nas vozes de todos nós.

Segue a letra! Na foto, Roberto e Lady Laura.

Abraços a todos, Vinícius.

LADY LAURA - Roberto e Erasmo

Tenho às vezes vontade de ser
Novamente um menino
E na hora do meu desespero
Gritar por você
Te pedir que me abrace
E me leve de volta pra casa
Que me conte uma história bonita
E me faça dormir

Só queria ouvir sua voz
Me dizendo sorrindo:
Aproveite o seu tempo
Você ainda é um menino

Apesar da distância e do tempo
Eu não posso esconder
Tudo isso eu às vezes preciso
Escutar de você

Lady Laura, me leve pra casa
Lady Laura, me conte uma história
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura

Lady Laura, me leve pra casa
Lady Laura, me abrace forte
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura

Quantas vezes me sinto perdido
No meio da noite
Com problemas e angústias
Que só gente grande é que tem

Me afagando os cabelos
Você certamente diria:
Amanhã de manhã
Você vai se sair muito bem

Quando eu era criança
Podia chorar nos seus braços
E ouvir tanta coisa bonita
Na minha aflição

Nos momentos alegres
Sentado ao seu lado sorria
E nas horas difíceis podia
Apertar sua mão

Lady Laura, me leve pra casa
Lady Laura, me conte uma história
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura

Lady Laura, me leve pra casa
Lady Laura, me abrace forte
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura

Tenho às vezes vontade
De ser novamente um menino
Muito embora você sempre ache
Que eu ainda sou

Toda vez que te abraço
E te beijo sem nada dizer
Você diz tudo que eu preciso
Escutar de você

Lady Laura, me leve pra casa
Lady Laura, me conte uma história
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura

Lady Laura, me abrace forte
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura, me beije outra vez
Lady Laura

Lady Laura, Lady Laura, Lady Laura
Lady Laura, Lady, Lady, Lady Laura, Lady Laura

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

As mulheres de Roberto Carlos - ANA



Olá, amigos.

A série As mulheres de Roberto Carlos vai chegando aos seus últimos posts. Esta sequência apresenta canções do repertório de RC que têm nomes femininos.

A música de hoje é uma das poucas da lista que têm assinatura de Roberto Carlos - mas por um motivo especial. Afinal, ANA é o nome de uma de suas filhas, Ana Paula, filha do primeiro casamento de Nice que Roberto assumiu. É por isto que ele e Erasmo Carlos fizeram esta canção do LP de 1970.

Segue a letra! Na foto, Roberto Carlos e Ana Paula com Nice e o filho Segundinho nos braços.

Abraços a todos, Vinícius.

ANA - Roberto e Erasmo

Todo o tempo que eu vivi
Procurando meu caminho
Só cheguei à conclusão
Que não vou achar sozinho

Oh, oh, Ana, Ana, Ana
Oh, oh, oh, oh, Ana
Que saudade de você

Toda essa vida errada
Que eu vivo até agora
Começou naquele dia
Quando você foi embora

Oh, oh, Ana, Ana, Ana
Oh, oh, oh, oh, Ana
Que saudade de você

Ana eu me lembro com saudade
Do nosso tempo, nosso amor, nossa alegria
Agora eu só te vejo nos meus sonhos
E quando acordo minha vida é tão vazia

Oh, oh, Ana, Ana, Ana
Oh, oh, oh, oh, Ana
Que saudade de você

Toda essa vida errada
Que eu vivo até agora
Começou naquele dia
Quando você foi embora

Oh, oh, Ana, Ana, Ana
Oh, oh, oh, oh, Ana
Que saudade de você

Ana, Ana, Ana
Oh, oh, oh, oh, Ana
Que saudade de você

Ana, Ana, Ana
Oh, oh, oh, oh, Ana
Que saudade de você

domingo, 5 de dezembro de 2010

As mulheres de Roberto Carlos - MARIA, CARNAVAL E CINZAS



Olá, amigos.

A série As mulheres de Roberto Carlos hoje apresenta mais um nome feminino presente na obra de RC. E esta é a única que não teve uma declaração de amor em seus versos.

MARIA foi uma menina que viveu apenas um carnaval. Através dela, seu autor, Luiz Carlos Paraná, denunciou a mortalidade infantil. O carnaval e as cinzas de Maria estiveram presentes no Festival da Record de 1967, e a interpretação de RC deu à música a quinta colocação no festival.

Segue a letra! Na foto, RC no Festival da Record.

Abraços a todos, Vinícius.

MARIA, CARNAVAL E CINZAS - Luiz Carlos Paraná

Nasceu Maria quando a folia
Perdia a noite ganhava o dia
Foi fantasia seu enxoval
Nasceu Maria no carnaval
E não lhe chamaram assim como tantas
Marias de santas, Marias de flor
Seria Maria, Maria somente
Maria semente de samba e de amor

Não era noite, não era dia
Só madrugada, só fantasia
Só morro e samba, viva Maria
Quem sabe a sorte lhe sorriria

E um dia viria de porta-estandarte
Sambando com arte, puxando cordões
E em plena folia de certo estaria
Nos olhos e sonhos de mil foliões

Morreu Maria quando a folia
Na quarta-feira também morria
E foi de cinzas seu enxoval
Viveu apenas um carnaval

Que fosse chamada então como tantas
Marias de santas, Marias de flor
Em vez de Maria, Maria somente
Maria semente de samba e de dor

Não era noite, não era dia
Somente restos de fantasia
Somente cinzas, pobre Maria
Jamais a vida lhe sorriria

E nunca viria de porta-estandarte
Sambando com arte puxando cordões
E não estaria em plena folia
Nos olhos e sonhos de seus foliões

E não estaria em plena folia
Nos olhos e sonhos de seus foliões

Maria, Maria, Maria...

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

As mulheres de Roberto Carlos - ROSITA




Olá, amigos.

A série As mulheres de Roberto Carlos apresenta hoje mais uma canção que tem nome feminino em seu título. Curiosamente, boa parte das mulheres que RC cantou vem de sua safra da década de 1960.

No ano em que Roberto Carlos cantou para a juventude, a mulher que apareceu foi ROSITA. Na música de Francisco Lara e Jovenil Santos, presente no LP Roberto Carlos canta para a juventude.

Segue a letra! Na foto, RC nos anos 60.

Abraços a todos, Vinícius.

ROSITA - Francisco Lara e Jovenil Santos

Rosita, Rosita
Onde estás que não vens
Rosita, Rosita
Só a ti eu quero bem

Eu vivo tão triste
Sozinho e abandonado
Rosita, Rosita
Vem viver a meu lado

Rosita, Rosita
Não me deixe indeciso
Nesta hora de angústia
Que mais de ti eu preciso

Rosita, Rosita
Me tire da solidão
Rosita, Rosita
É teu o meu coração, é teu o meu coração...

Rosita, Rosita
Não me deixe indeciso
Nesta hora de angústia
Que mais de ti eu preciso

Rosita, Rosita
Me tire da solidão
Rosita, Rosita
É teu o meu coração, é teu o meu coração...

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

As mulheres de Roberto Carlos - AMAPOLA



Olá, amigos.

A série As mulheres de Roberto Carlos apresenta mais uma canção interpretada de RC com nome feminino. E esta foi a segunda mulher presente no disco É proibido fumar.

Em vez de pedir a um compositor brasileiro para contar a história de uma mulher, RC pegou uma canção espanhola para trazer um pedido de amor ao som de iê-iê-iê. Ao som de Joseph Lacalle, Amapola chegou em bom português pela letra de Roberto Carlos.

Segue a letra! Na foto, Roberto Carlos na época de seu LP.

Abraços a todos, Vinícius.

AMAPOLA - Joseph Lacalle (versão de Roberto Carlos)

Amapola, lindíssima Amapola
Eu quero seu amor somente para mim
Eu te quero, te quero, queridinha
Como se quer a flor, a luz e o dia
Amapola, lindíssima Amapola
Não seja tão ingrata e ama-me
Amapola, Amapola
Já não posso mais viver tão só

Amapola, lindíssima Amapola
Não seja tão ingrata e ama-me
Amapola, Amapola
Já não posso mais viver tão só

Já não posso mais viver tão só...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

As mulheres de Roberto Carlos - ROSINHA



Olá, amigos.

A série As mulheres de Roberto Carlos continua, trazendo músicas com nomes femininos interpretadas por RC em sua carreira. E a de hoje é retirada de seu terceiro LP.

Após cantar por Linda e por Malena, Roberto usou sua voz para falar de sua querida Rosinha, que vinha numa declaração de amor sincera. Em meio à brasa acesa no LP É proibido fumar, a doçura chegava na terceira faixa do disco.

Segue a letra! Na foto, Roberto Carlos nos anos 60.

Abraços a todos, Vinícius.

ROSINHA - Oswaldo Audi e Athayde Júlio

Oh, Rosa, Rosinha
Que bom seria se tu fosses minha
Oh, Rosa, que coisa louca
Seria dar um beijo em tua boca
Oh, Rosa, Rosinha
Quisera possuir teu coração
E ter o teu amor por toda vida
Oh, Rosa, querida

Oh, Rosa, Rosinha
Que bom seria se tu fosses minha
Oh, Rosa, que coisa louca
Seria dar um beijo em tua boca

Oh, Rosa, Rosinha
Quisera possuir teu coração
E ter o teu amor por toda vida
Oh, Rosa, querida

Rosa, querida...

sábado, 27 de novembro de 2010

Força, Rio de Janeiro!



Olá, amigos.

Uma pena que a postagem de número 500 seja usada para falar sobre este assunto. Mas o Rio de Janeiro, nos últimos dias, vem sendo cenário de uma guerra civil entre o poder público e o poder paralelo.

A polícia está trabalhando de maneira incisiva para acabar com o poder do narcotráfico, que tanto mal fez ao Rio nestas décadas de desmando. Que a capital fluminense tenha força para sobreviver a este conflito, e que nós, moradores desta cidade tão linda, tenhamos muita, muita paz.

Roberto Carlos, que é um artista que trouxe a paz através de sua voz, também merece ser um exemplo para todos nós. Que a fé que nos faz otimista demais ajude a remover tanta violência.

Abraços a todos, Vinícius.

QUERO PAZ - Roberto e Erasmo

Se ninguém aperta o gatilho
Quem morre é a guerra caída na chão
Bang bang, guerra que nada
Não jogo granada na terra do irmão
Se ele fala outro idioma
A bandeira branca é universal
Se ele é preto, branco ou amarelo
Seu sangue é vermelho e o meu é igual

Quero paz
Violência não
Quero paz
É o que pede o meu coração

Como vou pra linha de frente
Se armado até os dentes não posso sorrir
Eu não vou fazer inimigos
Eu só tenho amigos, me deixem aqui

Eu não vou lavar roupa suja
Num tanque de guerra com bala e canhão
E esse barulhão não combina
Com a paz dos acordes do meu violão

Quero paz
Violência não
Quero paz
É o que pede o meu coração

Bang bang, bang não dá
Ratatatata também não
Quero paz aqui, quero lá
É o que pede o meu coração...

*****

Na segunda-feira, o Emoções de Roberto Carlos volta com a série As mulheres de Roberto Carlos.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

As mulheres de Roberto Carlos - LINDA



Olá, amigos.

A série As mulheres de Roberto Carlos chega à sua segunda postagem, trazendo uma mulher rara no cancioneiro de RC. Nesta sequência, apresentamos músicas que ele cantou que trazem nomes femininos.

A "raridade" é que esta música foi lançada em seu primeiro LP - Louco por você - que jamais teve uma segunda tiragem. Sempre que teve um relançamento, sua discografia começou com o ano de 1963.

Com isto, muitos de seus fãs não tiveram acesso a LINDA. Uma versão de Carlos Imperial que foi citada na música Louco não estou mais ("Linda foi namoro que pouco durou"), e que não merece ser esquecida na lista de mulheres de Roberto Carlos.

Segue a letra! Na foto, Roberto Carlos em seu início de carreira.

Abraços a todos, Vinícius.

LINDA - Bill Caesar (versão de Carlos Imperial)


Linda, oh, Linda
Com você vivo a sonhar
Linda, oh, Linda
Só você eu hei de amar
Linda, oh, Linda
Vivo triste a esperar
Linda, oh, Linda
Que você me queira amar

Naquele momento em que você me beijou
A Terra tremeu e a vida parou
Meu sangue ferveu e a cabeça girou
E o meu coração queimou

Linda, oh, Linda
Com você vivo a sonhar
Linda, oh, Linda
Só você eu hei de amar

Linda, oh, Linda
Vivo triste a esperar
Linda, oh, Linda
Que você me queira amar

Naquele momento em que você me beijou
A Terra tremeu e a vida parou
Meu sangue ferveu e a cabeça girou
E o meu coração queimou

Linda, oh, Linda
Com você vivo a sonhar
Linda, oh, Linda
Só você eu hei de amar

terça-feira, 23 de novembro de 2010

As mulheres de Roberto Carlos - MALENA



Olá, amigos.

Recentemente, Roberto Carlos fez um show exclusivo para mulheres em São Paulo. E, além de chegar aos corações das mulheres através de palavras doces, sensuais, apaixonadas, ou dedicar músicas especificamente para gordinhas, baixinhas, de óculos e de 40 anos, Roberto teve em seu repertório músicas com nomes próprios femininos.

Com o post de hoje, começamos a enumerar As mulheres de Roberto Carlos. Na lista, todas as mulheres que assinaram seus nomes em canções gravadas por RC.

A primeira delas foi tema de duas canções dos primeiros anos da carreira de Roberto Carlos. MALENA apareceu pela primeira vez num compacto de 1962, ainda antes dele passar pelo primeiro tapa que levou com a história do Splish Splash. E, no ano seguinte, voltaria, para ser incluída em seu segundo LP.

Segue a letra! Na foto, Roberto Carlos na época da Jovem Guarda.

Abraços a todos, Vinícius.

MALENA - Rossini Pinto e Fernando Costa

Malena
Eu sou um sofredor
Oh, oh, oh, Malena
Eu quero o teu amor
Malena
Não posso mais sofrer
Oh, oh, oh, Malena
Sem ti não sei viver

Eu vivo triste
Amargurado assim
No mundo não existe
Quem sofra igual a mim

Oh, oh, oh, Malena
Não posso mais chorar
Oh, oh, oh, Malena
Eu choro por te amar

Eu choro por te amar...

*****

RELEMBRANDO MALENA - Rossini Pinto

Malena, querida, eu te quero
E ainda te amo, te adoro e venero
Sou louco por ti

Malena, querida, relembro os momentos felizes
De alegria e ternura
Que ao teu lado vivi

Tentei em vão te esquecer
Sem conseguir contudo, amor
Se mal te fiz foi sem querer
Pois eu te amo com fervor

Malena querida
Perdoa a minha loucura
Esquece o passado
E volta pra mim

Tentei em vão te esquecer
Sem conseguir contudo o amor
Se mal te fiz foi sem querer
Pois eu te quero com fervor

Malena querida perdoa a minha loucura
Esquece o passado
E volta pra mim...

domingo, 21 de novembro de 2010

Os outros parceiros musicais de Roberto Carlos - FRED JORGE



Olá, amigos.

A série Os outros parceiros musicais de Roberto Carlos chega ao seu último post. Como se vê, foram poucos os momentos nos quais RC fez parceria com outro artista que não fosse Erasmo Carlos.

E, após Carlos Imperial e Ronaldo Bôscoli, também foi incluído na lista o paulista do Tietê, Frede Jorge Japur. Que, no cenário musical, ficaria mais conhecido como FRED JORGE.

Fred Jorge foi o responsável por, a partir do fim da década de 1950, dar palavras em português para sucessos internacionais. São de sua autoria as versões brasileiras de Diana (cantada por Carlos Gonzaga), Estúpido cupido e Banho de lua (ambas na voz de Celly Campello).

Mas, a partir de 1970, Roberto Carlos daria destaque a seu valor como compositor, independente deste lado versionista - quando gravou em compacto a música A palavra adeus. Depois disto, viriam outras cinco canções - Se eu partir, de 1971, Você já me esqueceu, de 1972, Não adianta nada, de 1973, O dia-a-dia (em parceria com Nenéo), de 1976, e Todos os meus rumos, de 1978.

Até Fred Jorge se tornar um parceiro musical de Roberto Carlos. Numa canção bastante intimista, a dupla escreveu sobre um relacionamento do qual restaram recordações e mais nada - na voz de RC para seu LP de 1983.

Segue a letra! Na foto, um raro registro de Fred Jorge e Roberto Carlos.

RECORDAÇÕES E MAIS NADA - Roberto Carlos e Fred Jorge

Ainda guardo na boca
O gosto daquele beijo
E na lembrança uma história
Cheia de amor e desejo
Só um aceno e depois
O olhar perdido na estrada
E só restou de nós dois
Recordações e mais nada

Como é possível esquecer
O nosso encontro primeiro
Você chegou simplesmente
E eu perguntei quase nada

E num momento nós dois
Nos envolvemos demais
Mas pouco tempo depois
Aquele adeus, nada mais

E o nosso amor se perdeu
Se consumiu por inteiro
Como um cigarro esquecido
Na borda de algum cinzeiro

De tudo aquilo ficou
Esta saudade guardada
E de nós dois só restou
Recordações e mais nada...

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Os outros parceiros musicais de Roberto Carlos - RONALDO BÔSCOLI



Olá, amigos.

A série Os outros parceiros musicais de Roberto Carlos chega a mais um post, contando sobre alguns dos compositores que fizeram canções em parceria com Roberto Carlos. São poucos os momentos nos quais RC abriu espaço de coautoria para outro que não fosse Erasmo Carlos.

RONALDO BÔSCOLI tem algo em comum com Carlos Imperial, outro coautor na obra de RC. Ele participou de maneira incisiva num movimento musical marcante do país, como produtor e como compositor. Mas Bôscoli se enveredou pelo caminho da Bossa Nova, para onde escreveu músicas como O barquinho, Lobo bobo e Saudade fez um samba, dentre outras.

Chegou a conhecer através de Carlos Imperial um menino definido como "novo João Gilberto". Após ouvi-lo, aconselhou-o a não seguir a vida de imitador, e disse para ele procurar um novo caminho. Um ano e meio depois, reencontrou o menino, agora conhecido por seu nome de batismo - Roberto Carlos.

A partir de 1970, Ronaldo Bôscoli formaria com Luiz Carlos Miéle e Roberto Carlos um "casamento a três". A dupla Miéle e Bôscoli ajudou RC a fazer seus grandes shows, desde A 200 km por hora (de 1970) até Luz (de 1994), ajudando nos textos e nos roteiros musicais. O "casamento" só foi desfeito em 1994, quando Ronaldo Bôscoli faleceu.

Além do grande auxílio à sua carreira, Ronaldo deixou para Roberto Carlos uma lembrança - a de uma parceria musical. Em seu livro de memórias Eles e eu (com depoimentos dados para Ângela Chaves e Luiz Carlos Maciel), Bôscoli contou sobre como foi lidar com seu parceiro musical Roberto Carlos:

"Há ainda outras superstições e manias do Rei, como jamais usar tinta vermelha ou preta ou de qualquer outra cor pra escrever. Só usa caneta com tinta azul. Riscar palavras, colocar setas em papel, essas coisas, ele também não tolera. Certa vez, fui parceiro dele numa canção, Procura-se, e foi o maior drama. Eu riscava as coisas, colocava outras em cima, ele ficava puto:

- Não se risca nada. Tem que guardar tudo.

Foi um duelo. Fiquei totalmente inibido: não pode isso, não pode aquilo, não pode essa palavra, não pode pôr aquela... O resultado final acabou sendo bem ruim. Procura-se é bem fraquinha. Para se compor com o Roberto Carlos, é preciso respeitar todas as suas manias - ou crenças. Mas enfim, pelo menos tenho o o grande orgulho de ter conseguido quebrar a hegemonia de Erasmo Carlos, parceiro quase único do Rei".

Segue a letra da canção Procura-se, gravada por RC em seu LP de 1980! Na foto, Roberto Carlos e Ronaldo Bôscoli.

Abraços a todos, Vinícius.

PROCURA-SE - Roberto Carlos e Ronaldo Bôscoli

E desarmado eu estava
Tudo que eu tinha lhe dei
Diante daquelas armas
Não resisti, me entreguei

E me entreguei no seu corpo
Me confessei no seu peito
Me amordacei na sua boca
Enlouqueci no seu leito

E me levou noite a dentro
E tanto a gente se amava
Que eu me calava na boca
Que me mordia a palavra

Depois no nosso silêncio
A minha mão deslizava
E percorrendo seus traços
Escorreguei do seu corpo
E adormeci nos seus baços

Procuro essa mulher e não me importa
O que já me aconteceu quando essa porta
Se fechou, e corpo-a-corpo nos meus braços
Quase me matou de amor

Eu quero esse momento alucinante
Eu quero aquilo tudo nesse instante
Daquela que uma noite, aquele dia
Quase me matou de amor

Seus olhos são como a noite
Esconde tantos segredos
Nos lábios tanto desejo
Que só de olhar vem na boca
O gosto daquele beijo

Por isso todo esse tempo
Procuro, espero, persigo
Esteja onde estiver
Quero de novo comigo
Procuro aquela mulher

Procuro essa mulher e não me importa
O que já me aconteceu quando essa porta
Se fechou, e corpo-a-corpo nos meus braços
Quase me matou de amor

Eu quero esse momento alucinante
Eu quero aquilo tudo nesse instante
Daquela que uma noite, aquele dia
Quase me matou de amor

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Os outros parceiros musicais de Roberto Carlos - CARLOS IMPERIAL




Olá, amigos.

Após um breve recesso, este blogue volta a ser atualizado hoje. Neste retorno, apresentamos uma breve sequência de curiosidades da carreira de Roberto Carlos.

Muitos estão acostumados a ouvir músicas escritas por Roberto Carlos em parceria com Erasmo Carlos. Mas, RC já abriu seu leque, mesmo que timidamente, para outros parceiros.



Um deles foi no início de carreira, ainda antes da chegada de Erasmo como coautor. CARLOS IMPERIAL também nasceu no Espírito Santo, mas na cidade de Castelo. Ainda na adolescência, mudou-se para o Rio de Janeiro e, aos 22 anos, começou a se destacar na música, graças à criação do Clube do Rock, evento que reunia artistas e fãs deste estilo musical.

Em 1959, o Clube do rock se tornou programa na TV Tupi, e lá foi apresentado o "Elvis Presley brasileiro" - um cachoeirense chamado Roberto Carlos, que se apresentara com um conjunto de rock chamado Os Sputinicks (que tinha Tim Maia em seu grupo), mas voltava em um momento solo, para cantar músicas de Elvis. Roberto passou a ser assessorado por Imperial, que lhe deu a chance de gravar seu primeiro compacto.

Carlos Imperial também lançou outros artistas da Jovem Guarda, e é autor de músicas conhecidíssimas do movimento musical, como O bom (cantada por Eduardo Araújo) e Vem quente que eu estou fervendo. Muitas das versões presentes no primeiro LP de Roberto Carlos - o raro Louco por você - foram escritas por Imperial.

Foi autor de outras canções de destaque da música brasileira, como Mamãe passou açúcar em mim, interpretada por Wilson Simonal, e A praça, sucesso de Ronnie Von. Mas também teve o privilégio de ser parceiro de Ataulfo Alves, no samba Você passa e eu acho graça, que foi gravado por Clara Nunes.

Nas décadas seguintes à Jovem Guarda, foi revelada sua característica de homem multimídia. Trabalhou como jornalista, foi jurado de programa de calouros e teve larga participação no cinema.



Como ator, depois das chanchadas da Atlântida, passou por filmes de destaque como Cassy Jones, o magnífico sedutor e Independência ou morte, até trabalhar em pornochanchadas - as mais esdrúxulas são A ilha das cangaceiras virgens, A banana mecânica e As depravadas. Também dirigiu comédias eróticas, como O sexomaníaco e Um marciano em minha cama.



Foi o vereador mais votado do Rio de Janeiro no ano de 1984. Até sua morte, em 1992, ficou conhecido também como o locutor oficial da apuração dos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro - onde ficou famoso seu bordão "Dez! Nota dez!". Deixou um legado de uma vida dedicada à música de jovem e a muita, mas muita irreverência, com seu estilo polêmico e cafajeste.

No primeiro compacto de Roberto Carlos, o nome de Carlos Imperial aparece ao lado do nome do jovem e promissor cantor e compositor de 18 anos. Numa Bossa Nova interpretada pelo "novo João Gilberto" (como Imperial apresentava RC em reuniões musicais", vinha um novo ponto de vista da história de João e Maria.

Segue a letra! Na foto, vale a pena forçar a vista para ver na ponta um Roberto Carlos com cabelo curto, típico de Exército, ao violão Carlos Imperial e à direita de Imperial, Cauby Peixoto.

Abraços a todos, Vinícius

JOÃO E MARIA - Roberto Carlos e Carlos Imperial

Li no almanaque a versão
Nova da história do João
Levou Maria pro bosque passear
E borboletas lindas apanhar

Mariazinha não sabia não
Das intenções do João

A verdade está no almanaque
Pois o tal passeio foi de araque
Mariazinha não gostou não
Do papelão do João

Mas o fim não está no almanaque
Sei que a Mariazinha voltou de Cadillac
João, coitado, ficou abandonado
Com as borboletas na mão
Coitadinho do João

Era uma vez, João
Era uma vez, João
Era uma vez, João
Joãozinho...

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Roberto Carlos na avenida



Olá, amigos.

Após a sequência Roberto Carlos em capítulos, este blogue traz hoje mais um capítulo no qual Roberto Carlos dá samba. 15 anos depois de ter sido tema da Unidos do Cabuçu, com Roberto Carlos no reino da fantasia, ele está de volta, para comemorar seus 70 anos.

Após várias eliminatórias, o samba já está escolhido. Agora, passe no Blog Roberto Carlos Braga pra conhecê-lo na voz de Neguinho da Beija-Flor.

Segue a letra! Na foto, Roberto Carlos com Neguinho da Beija-Flor e a bateria da escola.

Abraços a todos, Vinícius.

A SIMPLICIDADE DE UM REI - Samir Trindade, Serginho Aguiar, JR Beija Flor, Sidney de Pilares, Jorginho Moreira, Théo M. Neto


Meu Beija-Flor, chegou a hora
De botar pra fora a felicidade
A alegria de falar do Rei
E mostrar pro mundo essa simplicidade

A saudade
Vem pra reviver o tempo que passou
Ah, essa lembrança foi o que ficou
Momentos que não esqueci

Eu, cheio de fantasias
Na luz do rei menino
Lá no seu Cachoeiro
E lá vou eu...

De calhambeque, a onda me levar
Na jovem guarda, o rock a embalar
Vivendo a paixão
Amigos de fé guardei no coração

Quando o amor invade a alma, é magia!
É inspiração pra nossa canção, poesia!
O beijo na flor é só pra dizer
Como é grande o meu amor por você

Nas curvas dessa estrada
A vida em canções
Chora, viola
Nas veredas dos Sertões

Lindo é ver a natureza
Por sua beleza
Clamor em seus versos

No mar navegam emoções
Sonhar faz bem aos corações
Na fé com o meu Rei seguindo
Outra vez estou aqui
Vivendo esse momento lindo

De todas as Marias
Vêm as bênçãos lá do céu
Do samba faço oração
Poema, emoção...

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Roberto Carlos em capítulos - VIVER A VIDA



Olá, amigos.

Com o post de hoje, a série Roberto Carlos em capítulos chega ao seu último capítulo. Mas a sequência de novelas com temas de RC não chegou a ter um desfecho. A cada nova trama, sempre pode vir uma nova presença dele como compositor - caso da recente Passione, que tem Gatinha manhosa em sua trilha, na voz de Adriana Calcanhotto.



Neste último post, o Emoções de Roberto Carlos abre espaço para a música mais recente de Roberto Carlos. A mulher que eu amo foi feita especialmente para a novela Viver a vida, de Manoel Carlos. Acima, a abertura do primeiro capítulo. Com o passar dos dias, as aberturas foram incorporando imagens de cenas da novela.

Mais uma vez as páginas da dramaturgia estavam abertas para as venturas e desventuras dos moradores do Leblon, e sempre capitaneada por uma Helena. A Helena desta trama foi feita por Taís Araújo - a primeira atriz negra a fazer uma personagem principal de Manoel Carlos. Ela era uma modelo que se envolve com o empresário Marcos, novamente um galã vivido por José Mayer.



Mas, além dos ciúmes da ex-mulher dele, Teresa (ótima atuação de Lília Cabral), a protagonista teve de conviver com a ira da filha, Luciana (vivida por Alinne Moraes), também modelo, uma moça mimada e que tem inveja do sucesso de Helena. Luciana é namorada do certinho Jorge, um arquiteto centrado em sua carreira e que reclama do estilo mais tranquilo do seu gêmeo Miguel (ambos feitos por Mateus Solano). Miguel convive com os problemas da namorada, Renata (vivida por Bárbara Paz), uma aspirante a atriz obcecada por magreza e que tem um grande distúrbio: substituir refeições por bebida alcoólica.



Além do Leblon, Viver a vida passeou com destaque também por Búzios, onde morava a família de Helena e também era a terra de outros personagens. Uma delas foi Dora (vivida por Giovanna Antonelli), uma mulher que tem uma filha controladora (estreia de Klara Castanho). A personagem de Giovanna Antonelli estava prevista para disputar o amor de Marcos com Helena.



Mas, Manoel Carlos teve de refazer seus planos iniciais. A empatia entre Taís Araújo e José Mayer não deu certo, ao contrário de sua relação com Thiago Lacerda, autor que fazia Bruno - e o casal ficou junto ao final, que foi ao ar em 14 de maio de 2010.



Em compensação, outras tramas foram bastante relevantes - a mais forte delas foi a maneira como Luciana lidou com o fato de ter ficado tetraplégica. Luciana não só consagrou Alinne Moraes como a personagem ajudou a derrubar muitos preconceitos da vida real.

A estreante Adriana Birolli rendeu muitos elogios por sua interpretação da personagem Isabel, assim como Nanda Costa no papel de Soraia. Marcelo Mello e Aparecida Petrowski foram muito bem como o traficante Bené e a revoltada Sandrinha, que mostraram as dificuldades de quem vive no "poder paralelo" do tráfico. Na parte cômica, destaque para a paixão entre Gustavo e Malu, em grandes atuações de Gustavo Airoldi e Camila Morgado.



Só que, em meio a tantos destaques, a atuação que mais rendeu aplausos foi a de Mateus Solano. Como os irmãos gêmeos Jorge e Miguel, o ator mostrou muito empenho e em nenhum momento deixou que a disparidade de personalidade deles - Jorge, o sério, e Miguel, o irreverente - caísse num tom caricatural.

Um dado curioso sobre a participação de Roberto Carlos na trilha. Ele custou a liberar a canção para a novela. Roberto não estava satisfeito com a gravação, queria refazê-la, ameaçando a entrada da canção na trilha sonora. Mas o cantor acabou convencido de que a música estava ótima e que ela embalaria um dos romances principais da novela.



No Roberto Carlos Especial daquele ano, ele interpretou a canção. Enquanto ele cantava, apareciam imagens do casal Marcos e Helena.



Segue a letra! Na foto, Marcos e Helena em Paris.

Abraços a todos, Vinícius.

A MULHER QUE EU AMO - Roberto Carlos

A mulher que eu amo
Tem a pele morena
É bonita, é pequena
E me ama também

A mulher que eu amo
Tem tudo que eu quero
E até mais do que espero
Encontrar em alguém

A mulher que eu amo
Tem um lindo sorriso
É tudo que eu preciso
Pra minha alegria

A mulher que eu amo
Tem nos olhos a calma
ilumina minh'alma
É o sol do meu dia

Tem a luz das estrelas
E a beleza da flor
Ela é minha vida
Ela é o meu amor

A mulher que eu amo
É o ar que eu respiro
E nela eu me inspiro
Pra falar de amor

Quando vem pra mim
É suave como a brisa
E o chão que ela pisa
Se enche de flor

A mulher que eu amo
Enfeita minha vida
Meus sonhos realiza
Me faz tanto bem

Seu amor é pra mim
O que há de mais lindo
se ela está sorrindo
Eu sorrio também

Tudo nela é bonito
Tudo nela é verdade
E com ela eu acredito
Na felicidade

Tudo nela é bonito
Tudo nela é verdade
E com ela eu acredito
Na felicidade...

domingo, 7 de novembro de 2010

Roberto Carlos em capítulos - AMOR E INTRIGAS




Olá, amigos.

A série Roberto Carlos em capítulos vai chegando a seus últimos episódios, enumerando músicas da safra de RC que fizeram parte da teledramaturgia brasileira. E hoje, nossa série mostra um capítulo à parte, com uma novela de fora da TV Globo.



No dia 20 de novembro de 2007, a TV Record estreou AMOR E INTRIGAS em seu horário das 20h30. A novela foi escrita por Gisele Joras, com colaboração de Antônio Carlos da Fontoura, Maria Luiza Ocampo e Melissa Cabral - e teve como supervisor de texto Luiz Carlos Maciel, que, durante anos, integrou a equipe de roteiristas dos especiais de Roberto Carlos.



A história começa quando a ambiciosa Valquíria (vivida por Renata Dominguez) foge da cidade de Ouro Preto depois de dar o golpe em sua própria mãe, Dilma (participação especial de Ângela Leal).

Sua irmã, Alice (papel de Vanessa Gerbelli), sai da cidade mineira e se muda para o Rio de Janeiro, disposta a encontrar Valquíria e a fazer justiça pela morte de sua mãe, que teve um enfarte quando viu todos os objetos de sua confecção vendidos. Em um de seus primeiros dias na Cidade Maravilhosa, ela vê de longe a irmã caminhando na areia da praia, mas acaba atropelada.

Alice é socorrida por Felipe (papel a cargo de Luciano Szafir), herdeiro da empresa Junqueira de Albuquerque, que retornara de Nova Iorque poucas horas antes. Enquanto acompanha o tratamento dela no hospital, com o tempo Felipe se apaixona. Só que, segundo a sinopse de Gisele Joaras, os dois terão de enfrentrar alguns obstáculos: Alexandra (vivida por Francisca Queiroz), com quem teve um longo relacionamento amoroso e que é louca por ele, e Dorotéia (interpretada por Ester Góes), sua mãe, que não admite que o filho se relacione com uma moça pobre.




Do outro lado, Valquíria se envolve com Petrônio (papel de Heitor Martinez), um mau caráter que, depois de assaltar um homem na rodoviária, usa também a identidade dele para planejar golpes. No elenco, nomes como Rogério Fróes, Nicola Siri, Adriana Garambone, Otaviano Costa, Sylvia Bandeira e Jonas Bloch.

"O jogo do bem contra o mal nunca foi tão intrigante. E o destino é você quem escreve". Com este slogan, Gisele Joras (que foi vencedora de um concurso de teledramaturgia da Record) fez sua primeira novela. Brigas pelo poder, conflito de classes, e, como diz o título, muito amor e intrigas na novela que durou até 21 de julho de 2008.

Entretanto, ela não teve tanta audiência quanto se esperava, porque foi prejudicada pela TV Record. Depois de seu início às 20h30, a novela foi exibida às 21h25, às 21h50 e, por último, às 23h. Tudo porque a emissora quis dar prioridade às suas outras tramas - Os mutantes e Chamas da vida.

A TV Record também recorreu a uma fórmula bem curiosa em suas trilhas musicais: a de colocar em seus temas de abertura gravações recentes de músicas de sucesso - preferencialmente em arranjo mais pop. Foram os casos dos temas de Prova de amor (O barquinho, a cargo de Karla Sabah), Luz do sol (a música homônima, interpretada por Jorge Vercilo). Na voz de Davi Moraes, a declaração de amor mais conhecida de RC ganhou um ritmo mais acelerado para a abertura da novela Amor e intrigas.



Segue a letra! Na foto, Vanessa Gerbelli e Luciano Szafir, que fizeram o par romântico de Amor e intrigas.

Abraços a todos, Vinícius.

COMO É GRANDE O MEU AMOR POR VOCÊ - Roberto Carlos

Eu tenho tanto pra lhe falar
Mas com palavras não sei dizer
Como é grande o meu amor por você
E não ha nada pra comparar
Para poder lhe explicar
Como é grande o meu amor por você

Nem mesmo o céu, nem as estrelas
Nem mesmo o mar e o infinito
Não é maior que o meu amor, nem mais bonito

Me desespero a procurar
Alguma forma de lhe falar
Como é grande o meu amor por você

Nunca se esqueça nem um segundo
Que eu tenho o amor maior do mundo
Como é grande o meu amor por você

Nunca se esqueça nem um segundo
Que eu tenho o amor maior do mundo
Como é grande o meu amor por você

Mas como é grande o meu amor por você...

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Roberto Carlos em capítulos - PARAÍSO TROPICAL



Olá, amigos.

A série Roberto Carlos em capítulos vai chegando aos seus últimos episódios. E hoje é a vez da obra de RC reencontrar um autor que teve antes tramas com músicas de RC.



Responsável pelas tramas de O dono do mundo e Pátria minha , Gilberto Braga assinou a novela que foi ao ar a partir de 5 de maio de 2007 no horário das 21h da TV Globo. PARAÍSO TROPICAL contou algumas novas histórias polêmicas com o requinte do texto de Gilberto, em parceria com Ricardo Linhares.



Antenor Cavalcanti (papel de Tony Ramos) era um megaempresário que perdeu seu filho quando ele tinha 16 anos. Casado com Ana Luísa (retorno da atriz Renée de Vielmond após cerca de 10 anos afastada da televisão), ele não permitia que ela exercesse a profissão de advogada, embora ela tenha sido responsável por sua entrada - pela porta da frente - no ramo de hotelaria.

O empresário via no filho de seu caseiro, Daniel (vivido por Fábio Assunção) um possível herdeiro de suas empresas. Ele se apaixonava por Paula (interpretada por Alessandra Negrini) e decidia ser feliz ao lado da amada numa praia do Nordeste. Só que Olavo (papel de Wagner Moura) não admite que o poder do Grupo Cavalcanti caia na mão de um reles filho de empregado. Os golpes sucessivos farão Daniel e Paula se separarem.



Ao retornar ao Rio de Janeiro, Daniel teve uma surpresa: o encontro com Taís, gêmea idêntica de Paula (também a cargo de Alessandra Negrini). Entretanto, esta era o oposto da irmã: tratava-se de uma mulher que vivia no subúrbio e estava sempre em busca de convites e notinhas com seu nome na coluna social. Paula e Taís eram filhas da dona de bordel Amélia Viana (participação especial de Suzana Vieira), mas não sabiam da existência uma da outra.

Através de Amélia (que morrerá no início da novela) e do personagem Antenor, que além de uma amante teria relações sexuais com garotas de programa, os autores mostrarão o universo da prostituição. Também havia em Paraíso tropical um casal homossexual - Rodrigo e Tiago (Carlos Casagrande e Sérgio Abreu, respectivamente). Eles tinham uma união estável de muitos anos e, além de não sofrer preconceito, não caíam no tom caricatural e humorístico.

Mas o tom mudou um pouco. O público rejeitou a história de Antenor, e o personagem de Tony Ramos abandonou o tom de homem ligado a garotas de programa. Ele se tornou um homem arrependido, e apaixonado por Lúcia (par romântico feito por Glória Pires).



Entretanto, um dado curioso chamou a atenção dos estudiosos em teledramaturgia: o sucesso de uma personagem que era prostituta. Com Bebel, Camila Pitanga viu sua consagração, com o jeito bronco dela e com bordões como "catiguria". Ao final de 2007 (meses depois do fim da novela, ocorrido em 29 de setembro de 2007), ela foi convidada para o Roberto Carlos Especial. Com RC, ela entoou Como é grande o meu amor por você.



Outro destaque foi Wagner Moura, impecável no papel de Olavo. O ator, que já se destacava no cinema, ganhou muita popularidade por sua atuação em Paraíso tropical. No elenco, ainda estavam nomes como Daniel Dantas, Marco Ricca, Isabela Garcia, Otávio Müller e Deisi Lucidy.

Assim como aconteceu em outras novelas de sua autoria, Gilberto Braga criou um "quem matou". A "gêmea má" Taís era encontrada morta em seu apartamento, e a investigação durava até o último capítulo, quando se revelava que Olavo era o assassino. Além disto, também descobria-se que Ivan (vivido por Bruno Gagliasso), tratado com tanto desprezo pela mãe Marion (papel de Vera Holtz), era herdeiro do milionário Antenor.



Roberto Carlos apareceu em Paraíso tropical como compositor. E na voz de seu amigo Erasmo Carlos, que, em dueto com Chico Buarque presente no disco Erasmo Carlos convida - Volume II.

Segue a letra! Na foto, Alessandra Negrini e Fábio Assunção, na capa do disco nacional da novela.

Abraços a todos, Vinícius.

OLHA - Roberto e Erasmo

Olha, você tem todas as coisas
Que um dia eu sonhei pra mim
A cabeça cheia de problemas
Não me importa, eu gosto mesmo assim

Tem os olhos cheios de esperança
De uma cor que mais ninguém possui
Me traz meu passado e as lembranças
Coisas que eu quis ser e não fui

Olha, você vive tão distante
Muito além do que eu posso ter
Eu que sempre fui tão inconstante
Te juro, meu amor, agora é pra valer

Olha, vem comigo aonde eu for
Seja minha amante e meu amor
Vem seguir comigo meu caminho
E viver a vida só de amor

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Roberto Carlos em capítulos - O PROFETA



Olá, amigos.

A série Roberto Carlos em capítulos, em seus últimos episódios, traz mais uma incursão de Roberto Carlos na teledramaturgia brasileira. E prossegue no horário das 18h da TV Globo.



Entre 16 de outubro de 2006 e 12 de maio de 2007, foi ao ar a novela O PROFETA, livremente inspirado na história original de Ivani Ribeiro (exibida entre 1977 e 1978 na extinta TV Tupi). A trama conta a história de Marcos (vivido por Thiago Fragoso), rapaz que tem o dom premonitório de saber coisas que vai acontecer, mas não pode impedir.

Assim, ele prevê que seu irmão mais novo, Lucas (papel de Henrique Ramiro), vai morrer. Atormentado pela morte dele, Marcos é aconselhado por seus pais Ana e Jacó (Vera Holtz e Stênio Garcia, respectivamente) a se mudar para São Paulo. Lá, ele conhece Sônia (interpretada por Paola Oliveira), por quem se apaixona, mas não pode ter um amor porque ela é namorada de seu primo Camilo (vivido por Malvino Salvador).



Ele acaba se envolvendo com Ruth (interpretada por Carol Castro), uma pessoa gananciosa e que, ao lado do mau caráter Clóvis (vivido por Dalton Vigh), explora o dom que "o profeta" tem. E Marcos passa a trama tendo que decidir se vai pelo caminho bom de seu dom ou vai se aproveitar dele para ganhar dinheiro.



Além de criar algumas tramas e suprimir outras, a segunda versão de O profeta teve algumas mudanças. O "profeta" se chamava Eduardo (e na versão da Tupi, foi vivido por Carlos Augusto Strazzer).No entanto, a então novela das 19h global, Cobras e lagartos tinha como uma das histórias o fato dos personagens Duda e Foguinho se chamarem Daniel. A saída foi colocar no protagonista o nome de Marcos.

Mas a mudança mais significativa veio por uma "estratégia" da TV Globo. A novela original se passava no período contemporâneo, e na versão de Duca Rachid e Thelma Guedes, a trama foi ambientada na década de 1950. O horário das 18h tinha se tornado associado a "novelas de época", como os sucessos O cravo e a rosa, Chocolate com pimenta e Alma gêmea. A Globo achou melhor manter a estratégia, que mais tarde seria revista.



Roberto Carlos apareceu em O profeta como compositor, numa gravação que apareceu pela segunda vez na história da teledramaturgia. Depois de ser um dos temas de Dona Anja em 1996, um dueto entre Adriana Calcanhotto e Erasmo Carlos apareceu em outra emissora. E desta vez, foi tema de Ester (vivida por Vera Zimmermann), irmã de Marcos.

Segue a letra! Na foto, Vera Zimermann no papel de Ester.

Abraços a todos, Vinícius.

DO FUNDO DO MEU CORAÇÃO - Roberto e Erasmo

Eu, cada vez que vi você chegar,
Me fazer sorrir e me deixar
Decidido, eu disse nunca mais

Mas, novamente estúpido provei
Desse doce amargo quando eu sei
Cada volta sua o que me faz

Vi todo o meu orgulho em sua mão
Deslizar, se espatifar no chão
Vi o meu amor tratado assim

Mas, basta agora o que você me fez
Acabe com essa droga de uma vez
Não, não volte nunca mais pra mim

Acabe com essa droga de uma vez
Não, não volte nunca mais...

Eu, toda vez que vi você voltar,
Eu pensei que fosse pra ficar
E mais uma vez falei que sim

Mas, já depois de tanta solidão
Do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim

Se você me perguntar se ainda é seu
Todo o meu amor, eu sei que eu
Certamente vou dizer que sim

Mas, já depois de tanta solidão
Do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim

Do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim...

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Roberto Carlos em capítulos - ALMA GÊMEA



Olá, amigos.

A série Roberto Carlos em capítulos vai chegando aos seus últimos episódios. Esta sequência vem trazendo músicas assinadas por RC que marcaram época em produtos de teledramaturgia do país.



Em 2005, a generosidade de RC com a teledramaturgia não ficou restrita à canção A volta para América. Ele também cedeu uma música que lançaria no fim do ano para a novela das 18h, que estreou em 20 de junho de 2005.



ALMA GÊMEA estreou em 20 de junho de 2005, para falar de duas pessoas apaixonadas que depois de separadas por uma tragédia seguiam em busca do reencontro através de suas almas. Rafael e Luna (respectivamente, Eduardo Moscovis e Liliana Castro) tinham seu grande amor interrompido por causa da ganância de Cristina (papel de Flávia Alessandra).



Cristina, prima de Luna, não admitia o fato dela ser rica e casada com o homem que sempre desejou. Ela se mancomunava com dois bandidos que, ao fim do espetáculo de estréia da prima, tentavam roubar as jóias de família que Luna tinha herdado. Um dos bandidos tentava disparar contra Rafael, mas Luna se jogava em sua frente, e morria.



Alguns momentos depois do assassinato de Luna, nascia num casebre indígena Serena (vivida por Priscilla Fantin). Os anos iam se passando, e a índia seguia vendo num lago a imagem de uma rosa branca. O pajé da aldeia dizia que ela possuía um sonho dentro de si, e que, mais cedo ou mais tarde, deveria buscá-lo.

Mesmo prometida ao índio José Aristides (interpretado por André Gonçalves), Serena deixava a aldeia e ia para a cidade de Roseiral, onde acabava sendo contratada por Cristina para trabalhar na casa do florista Rafael. Em sua primeira visita à casa, Serena sentia algo pelo lugar, pela imagem de Felipe (filho de Rafael, feito por Sidney Sampaio) e ela e Rafael sentiam um momento mágico ao se reencontrarem. Ela era a reencarnação de Luna, que Rafael jamais havia esquecido, o que foi mostrado ao fim da novela, em 12 de março de 2006.

Com a temática espírita e trazendo núcleos de humor muito interessantes, Walcyr Carrasco novamente criou um grande sucesso de audiência para a TV Globo. O sucesso de Alma gêmea foi tanto que seus índices superaram muitas vezes as outras duas novelas da emissora - Bang bang e Belíssima.




No elenco, destaque para Ana Lúcia Torre, no papel de Débora, a asquerosa vilã e mãe de Cristina, para Drica Moraes e Malvino Salvador, como os "eles-se-bicam-mas-se-amam" Olívia e Vitório, e o trio Osvaldo, Divina ("Osvaldo, não fale assim com a mamãe!") e Ofélia feito por Fúlvio Stefanini, Neusa Maria Faro e Nicette Bruno.



Roberto Carlos aceitou liberar a gravação por ter gostado da temática abordada na novela - um amor que vai além da vida, um encontro de "almas gêmeas". Em seu especial de fim de ano de 2005, Roberto Carlos interpretou o tema da personagem Serena em Alma gêmea. Enquanto cantava no palco do Roberto Carlos Especial, ao fundo apareciam imagens da protagonista da novela.



Segue a letra! Na foto, um momento do Roberto Carlos Especial de 2005.

Abraços a todos, Vinícius.

ÍNDIA - Manoel Ortiz Guerrero e José Asunción Flores (versão de José Fortuna)

Índia, teus cabelos nos ombros caídos
Negros como a noite que não tem luar
Teus lábios de rosa para mim sorrindo
E a doce meiguice desse teu olhar
Índia da pele morena, tua boca pequena
Eu quero beijar

Índia, sangue tupi
Tem o cheiro da flor
Vem, que eu quero te dar
Todo meu grande amor

Quando eu for embora para bem distante
E chegar a hora de dizer-lhe adeus
Fica nos meus braços só mais um instante
Deixa os meus lábios se unirem aos teus
Índia , levarei saudade da felicidade
Que você me deu

Índia, a tua imagem
Sempre comigo vai
Dentro do meu coração
Flor do meu Paraguai...